Tenda Espírita Caxana

Fé e Caridade


Ainda que, nos dias atuais, as tradições e os valores familiares estejam submetidos ao relativismo, a mãe e a função materna mantém-se como matriz sobre a qual se constituem os elementos de cidadania do mundo.

Lembremos que nascemos em estado de dependência da mãe e é a ela que nos voltamos totalmente nos primeiros meses de nossa existência.

Foi através de seus cuidados que nos constituímos como um corpo integrado, foi por meio de seu olhar que nos constituímos como um Ser único e distinto dos demais, foi ela quem nos saciou e aplacou as angústias frente as nossas primeiras necessidades e era em seu colo que nos aconchegávamos e dormíamos protegidos pelo calor de seu corpo.

Muito embora, mais adiante, tivemos que renunciar a exclusividade deste amor, pois existia papai e outros interesses por parte de mamãe, foi somente tendo cumprido este idílio de amor entre mãe e filho(a) que pudemos nos constituir como Seres para a Vida.

As configurações atuais, do mundo moderno, têm interferido sobremaneira nas relações entre pais e filhos.

As exigências ditadas pela sociedade moderna têm relegado a estas relações, espaços cada vez mais reduzidos e desprovidos de afetividade.

Isto não ocorre impunemente, haja vista, os sinais sociais como: violência, falta de sentido para a vida, etc.

As transformações em direção a relações mais humanas passam inevitavelmente pelo resgate das tradições, da espiritualidade, da contemplação, da riqueza da vida humana e, principalmente, pelo resgate do feminino, ou seja, a capacidade de dar Vida.

Kátia Eloísa