Tenda Espírita Caxana

Fé e Caridade

1) Cercada de mistérios e mitos a fé é capaz de realizar muitos prodígios, embora na verdade pouco se sabe exatamente o que ela é.

2) A fé independe de religião, crenças outras, filosofia ou intelectualidade: fé é fenômeno, isto é , pode-se se demonstrar e diferencia-la, não devendo identificar-se como um capricho que Deus nos concede porque fizemos oferendas aqui no templo, na macaia ou mar .
3) A fé , diz-se pode ser de 2 formas:
a) Espontânea ( que não se pode fabricar artificialmente) e;
b) Fé adestrada ( de quem se condiciona a seguir ordens de uma autoridade religiosa – Pai de santo, padre, bispo ou pastor)
4) A fé só não pode ser sem racionalidade, isto é, tem que objetivar um melhoramento intimo, porque senão ela se torna cega e desequilibrada e neste estagio de desequilíbrio apenas aumento os conflitos interiores do crente (indivíduos).
5) O individuo quando tem em si mesmo é o ideal para se prestar ao exercício da caridade, principalmente se tiver o dom da mediunidade de incorporação. Nesse caso, mobilizando sua vontade e energias, produz uma qualidade mediúnica que cada vez mais se apura e aperfeiçoa.
6) Por derradeiro, cumpre ainda lembrar que apesar de todos nos sermos médium e sujeitos portanto a uma modalidade de mediunidade ( incorporação, auditiva, vidência, psicográfica etc...) não podemos esquecer que todos os encarnados temos um Karma é inexorável, isso é , é irrenunciável e o livre arbítrio ( é a vontade que nos norteia.
7) Diz o articulista, encerrando: assim sendo , você que me lê ou escuta, deve se auto analisar e definir a palavra “fé”, que lhe rege a vida, mas sempre considerando que a evolução é personalíssima e de foro intimo).

Resumo do texto publicado na
“ Revista Espiritualismo” – ed 62, pag 115.
Dalton Campos Roque